sábado, 19 de abril de 2008

Um Artista da Fome


Estava assistindo algumas resportagens esses dias e nelas havia uma seríe de pessoas que sobrevivem, ao invés de viverem. Todas elas não tinham muitos recursos que nós temos e todas as grandes oportunidades que temos no dia a dia. Incrível como num mundo da era High Tech, longos e modernas torres que são construidas pelas grandes cidades, todas futlidades que a cada dia que passa queremos obter - incrivel como exsitem muitas pessoas que nem ao menos sabem o que vem a ser tudo isso e sobrevivem confrontando a arte de passar fome. Quase não parece ser verdade - mas o negócio é que é verdade sim - é só abrirmos um de nossos olhos e veremos.

Não sei quantos lêem a bíblia, mas quando Jacó estava fugindo de seu irmaõ Esaú. Ao parar num lugar para descançar ele apoiou sua cabeça numa pedra e dormiu. Quantos de nós não procuramos as maneiras mais confortaveis para nós e para nossas famílias, as melhores coisas, os meios mais fáceis, os caminhos mais cheios de flores possíveis - enquanto outros dormem em pedras. Quando vamos entender que todas essas futilidades são tão efêmeras quanto nossos exercícios de pensar a respeito de nós mesmos? Tá legal, eu to ligado!

Um comentário:

Déa disse...

Há também o contraponto de quem tem recursos e não vive de verdade. Acredito que quem não tem consicência de que somos parte de um todo também não é capaz de viver, os que se julgam um mundo inteiro e não partícula ínfima dele são sobreviventes da ignorância - aquela que nenhum dinheiro ou tecnologia é capaz de eliminar.
Boa terça-feira!

(Acabei não comentando antes, mas Correspondência Entre Amigos é um livro de cartas trocadas entre Hermann Hesse e Thomas Mann. Ainda não comecei a ler, estou contando porque sei que você também lê Hesse.)